Bacupari (mangostão amarelo ou falso mangostão)

Bacupari

Tenho em meu jardim uma planta de bacupari, ou falso mangostão. Pesquisando pude saber que tenho uma preciosidade. Estudos estão sento feitos com resultados positivos, em tumores malignos.

É uma planta nacional, nativa desde o norte, na flotresta Amazônica, até o sul da Mata Atlântica.Seu  desenvolvendo é lento, mas de porte robusto, atingindo mais de dez metros.
Thiago Romero postou um artigo sobre o poder da cura do BACUPARI, que venho transcrever nessa postagem:

“Cientistas descobriram potencial anticancerígeno em mais uma planta brasileira. Testes preliminares feitos com o bacupari, fruto da Rheedia brasiliensis, encontrado na região amazônica, indicaram atividade contra cinco tipos de cânceres, de nove testados.

Os trabalhos foram coordenados pelos professores Pedro Luiz Rosalen, da Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Marcelo Henrique dos Santos, da Escola de Farmácia e Odontologia de Alfenas, e João Ernesto de Carvalho, do Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas, também da Unicamp.

Os pesquisadores isolaram do bacupari um composto pouco conhecido, o 7-Epiclusianona (7EPI). Foram realizados diversos testes biológicos com o composto para a verificação de possíveis atividades antimicrobiana, antiinflamatória e antitumoral.

Com base em protocolo internacional de triagem do Instituto Nacional de Saúde (NIH), dos Estados Unidos, os autores do estudo testaram a substância contra nove linhagens de células tumorais. “Em culturas de tecidos humanos, o composto apresentou grande atividade contra células cancerígenas de cinco tipos de tumores: ovário, próstata, rim, língua e pele (melanoma). Nas outras células analisadas – duas linhagens diferentes de câncer de mama, uma de pulmão e outra de câncer de língua – o composto não apresentou resultado”, disse Pedro Luiz Rosalen à Agência FAPESP.

Segundo Rosalen, em relação à atividade antibacteriana, o 7EPI também se mostrou promissor, agindo como uma espécie de antibiótico natural para o combate de bactérias específicas. Não foi verificado nenhum efeito antiinflamatório no composto, que teve patente requerida pela Unicamp, em fase de julgamento no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

As etapas seguintes do estudo envolverão a administração da droga em animais, como camundongos, que desenvolvem esses cinco tipos de cânceres. “Queremos analisar a toxicidade do composto, para verificar se ele não afeta estruturas saudáveis do organismo. Se os testes com animais apresentarem resultados positivos, o passo seguinte será de testes clínicos em humanos, sempre com base no protocolo do NIH”, disse Rosalen.

Para o pesquisador da FOP, apesar de ter se mostrado uma alternativa potente pelo fato de atuar mesmo em baixa concentração, os dados precisam ser consolidados nas próximas etapas do estudo. A quantidade mais baixa utilizada pelos pesquisadores foi de 250 microgramas por mililitro. A substância 7-Epiclusianona foi extraída, em sua maioria, da casca e da semente do bacupari. Da polpa, foi possível extrair uma quantidade mínima do composto.

“Ainda não podemos afirmar se essa substância poderá se tornar um produto de combate ou de prevenção ao câncer, pois ainda não conhecemos exatamente seus mecanismos de ação. Do ponto de vista terapêutico, para essa droga poder se confirmar como um novo fármaco para humanos, são necessários no mínimo dez anos de estudo”, explica Rosalen.

O trabalho de pesquisa tem apoio da FAPESP, na modalidade Auxílio a Pesquisa, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Cnpq).”

Anúncios

CAJÁ-MANGA

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Cajá-manga

Classificação científica

Reino: Plantae

Divisão: Magnoliophyta

Classe: Magnoliopsida

Ordem: Sapindales

Família: Anacardiaceae

Género: Spondias

Espécie: S. cytherea Sonn

Nome binomial Spondias cythereaL.

CAJÁ-MANGA

Cajá-manga é também conhecida por Cajarana,Originária das Ilhas do Pacífico, e hoje presente em quase todo território brasileiro, em especial no Nordeste..

A árvore do cajá-manga pode atingir até 15 metros de altura. O fruto tem formato cilindrico com 6 a 10 cm de comprimento, 5 a 9 cm de diâmetro e pode pesar até 380 g.
Ele tem casca lisa e fina, com coloração amarelo brilhante.É muito aromático e de polpa suculenta, e quando maduro,de sabor agridoce, tendendo para o ácido.O endocarpo é revestido de espinhos (macios) irregulares. É uma fruta rica em fibras
A polpa é muito utlizada para se fazer sucos e sorvetes.”
A primeira vez que vi os frutos de um cajazeiro foi em Piracicaba, na Luiz de Queiroz.
Fui chupar e não aguentei a acidez.

Depois  fui me informar e me disseram que eram para ser utilizados em sucos e sorvetes, por sinal muito saborosos.

Noções preliminares do aprendizado de uma língua

Linguagem é o veículo que se tem para exprimir as idéias, os pensamentos.
Uma língua é o conjunto de meios pelos quais um grupo de pessoas, uma etnia, um povo expressa suas idéias oralmente ou através da escrita.
As línguas são dinâmicas e se transformam com o tempo.
Tiveram sua origem no latim, língua morta, o português, o italiano, o espanhol, o francês e outras mais.
Vamos enfocar o francês, pois esse é o objetivo dos artigos que vou postar regularmente.
A gramática , a meu ver é o esqueleto de uma língua, e sem ela jamais vamos conseguir nos expressar corretamente.
Não adianta termos um vasto vocabulário, mas se não conhecermos a gramática, jamais vamos nos expressar  com precisão e de maneira correta.
A gramática é um conjunto de regras que nos premitem falar e escrever com nitidez e precisão.

Come-se bem na França?

Aqui no Brasil, tem-se a impressão que quando se vai a um restaurtante francês, as porções são minúsculas, que não dão para matar a fome e a conta é altíssima.
Na França, eu digo no interior, os menus regionais são deliciosos e quando se levanta da mesa, a gente sente um prazer imenso, pois se sente muito bem alimentado e a conta é normal.
Quando estive na França encontrei um restaurante muito charmoso num “petit village”, com direito a uma salada, por sinal muito bem temperada, um prato principal e para finalizar uma deliciosa sobremesa, mais um copo de vinho regional, por EU12,00, preço de um lanche no MacDonald.
O que mais encanta o estrangeiro na França, são os pratos regionais, muitas vezes feitos com os queijos locais.
Em Annecy tive a sorte de encontrar um restaurante escondido na floresta, onde me deliciei com um prato de batatas e reblochon( queijo da Savoia), gratinados.                                                                                                                                                                                                                                                                             Dizem que os franceses são mal humorados, mas a gente sabendo ser educado e gentil, vai encontrar pessoas amáveis e prestativas.
Preciso parar de divagar sobre a França e procurar postar artigos sobre como entender um pouco da língua francesa.

Hoje é dia de aula…

Há três anos me dedico em compartilhar com um grupo de terceira idade um curso elementar de francês.
É gostoso pois noto no semblante de cada um a vontade de conhecer um pouco da língua francesa.
Tem uma aluna, por sinal muito assídua, com exatamente noventa anos.
Tem um aluno que tinha vontade de ir para a França e agora criou coragem e vai viajar no final do ano.
Tem outra aluna, pintora, que ja expôs em Paris e voltou frustrada por não poder se cpmunicar com as pessoas que foram em seu vernissage.Cada aluno tem uam estória para contar.
É muito gratificante poder sentir as pessoas se realizando.
É bom compartilhar com os outros o pouco que sabemos.

Conhecer a França

Conhecer a França não é visitar Paris e por pisar em solo francês dizer que não foi bem recebido e que o povo é agressivo e nada hospitaleiro.
Paris é uma cidade cosmopolita e cada vez menos francesa.
Lá como em qualquer capital, encontram-se pessoas de todo o mundo, vivendo mal e assim se relacionando hostilmente.
Para conhecer qualquer país, temos que ir para o interior e sentir o povo, o perfume da natureza,a pureza do céu e a beleza das paisagens e monumentos.
Cada região da França parece ser um pais diferente, com costumes diversos, mas falando sempre o mesmo idioma.
Pretendo postar algumas esperiências que tive em minhas viagens e falar um pouco do idioma francês que aos poucos vou aprendendo e assim procurando transmitir aos meus alunos da terceira idade o pouco que sei.

Minhas experências com “Aveloz”

Euphorbia tirucalli” nome cientìfico de uma planta,de origem africana, introduzida no Brasil nos tempos coloniais, pouco estudada com profundidade, e conhecida por Aveloz e outros nomes regionais, tais como almeidinha, gailolinha, pau-sobre-pau e muitos outros.
É usada na fitoterapia para extirpar berrugas, havendo quem a indique para o tratamento de cancer, o que deve haver muita cautela, pois seNdo uma Euforbiacea tem látex cáustico, podendo se ingerido causar danos fatais.
Comecei usando o latex para extirpar uma berruga que estava crescendo em minha mão. Passava o látex á noite após o banho e no dia seguinte lavava bem o local e passava protetor, pois sendo cáustico deixava minha pele sensível. Fiz isso durante uma semana e parei de usar durante outra semana, voltando na semana seguinte ao uso. O resultado foi ótimo , saindo assim a berruga e para minha alegria uma mancha preta que havia ao seu lado.
Há mais de dez anos venho batalhando com uma micose de unha, no meu pé. Já usei todos os medicamentos da alopatia, receitados por váriaos dermatologistas e o resultado sempre o mesmo…a micose sempre na mesma unha…
Comecei a usar o látex de minha velha conhecida euforbiacea e o resultado foi mirabolante. A unha está salva e sã.  A micose se foi e com ela todos os medicamentos que chegaram quase a comprometer meu fígado.
Não tendo mais onde aplicar no meu corpo, tentei mais uma vez o uso como cicatrizante em minha Rotweiller. Apareceu uma ferida na sua lateral. Levei-a ao veterinário e o diagnóstico não foi nada bom e o procedimento mais plausível seria uma cirurgia.
Isso nem pensar em cão de grande porte.Os cuidados têm que ser muitos pois o animal além de ser forte, na dor se torna agressivo.
O veterinário então para desencargo receitou 20 doses cavalares de antibiótico, que felizmente ela cuspia sempre.
Pensei então na minha planta. Fui passando todos os dias pela tarde, para não tomar sol, o latex colhido na hora, na ferida.
Na primeira semana passei todos os dias e depois fui espaçando e hoje com 15 dias de tratamento o pelo voltou a crescer e a área necrosada sumiu.
Quando eu tiver novas experiências volto a publicar e caso alguém queira melhores informações basta acessar o site.

Uma coisa recomendo:”NUNCA INGERIR O LÁTEX, POIS É VENENOSO E PODE CAUSAR A MORTE”